dúvidas sobre o Parto
Saúde e bem-estar

Gravidez precoce é responsável por mais da metade das internações entre os jovens

Pesquisa realizada pelo Banco Mundial elencou o Brasil como o 49º país em que as adolescentes mais engravidam – 70 a cada mil garotas de 15 a 19 anos deram à luz em 2013, segundo o estudo. No alto da tabela estão os países principalmente africanos, nos quais é permitido o casamento infantil. Neste ranking, o Níger, onde 71% das mulheres se casam antes dos 18 anos, ocupa o primeiro lugar, com proporção de 205 a cada mil.

Ainda assim, o Ministério da Saúde afirma que o Brasil conseguiu diminuir em 26% os índices de gravidez precoce na última década. Contudo, mesmo com a queda significativa dos números, proporcionalmente, pioramos em relação a outras nações.

Gestante e feto correm mais riscos nestes casos: estão mais sujeitos à pré-eclâmpsia, ao parto prematuro e/ou com complicações; ao bebê com baixo peso; à infecção urinária e vaginal, além da predisposição à depressão pós-parto e à rejeição do filho. Extrapola a área da saúde, com importantes desdobramentos sociais e educacionais, haja vista muitas mães jovens abandonarem a escola.

O levantamento apresentado no Fórum Paulista concluiu que muitas das adolescentes demoram a assumir a gestação, causando o retardo do início do pré-natal. Não somente, há a expressiva realização de cesáreas – 41,6% –, com maior incidência de nascidos vivos de baixo peso. Os números de 2014 apontam que causas ligadas à gravidez, ao parto e ao puerpério levaram 255 meninas a morte, além de serem responsáveis por 560 mil internações no SUS. O aborto representa 7,1% destes óbitos e 6,5% do total de internações.

“É um número alto e assustador. Sabemos que a atividade sexual tem começado cada vez mais cedo; essa questão está bem além da questão de saúde, é de toda a sociedade. As adolescentes não recebem orientações, não são supervisionadas, em muitas famílias faltam vínculos e apoio”, destaca Renata Waksman, coordenadora do Fórum e do Núcleo de estudos da Violência Doméstica Contra a Criança e o Adolescente da SPSP.

Este é um problema global, como denota do relatório divulgado em abril de 2016 pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA): nos países do Cone Sul, uma em cada cinco mulheres serão mães antes de se tornarem adultas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s